sexta-feira, 4 de junho de 2010

Uma Semana na Provence


Plantação de Lavanda


A Provence é uma das mais belas regiões da França. Ficar uns dias passeando por lá é realmente um programa dos deuses. O difícil é escolher onde ir, porque há muitas cidades e lugares encantadores para se visitar: "l’embarras du choix", como dizem os franceses. Minha querida prima Lina preparou um programa maravilhoso (ela é a melhor para fazer planos de viagem). Fui daqui para Paris, de onde partimos com todas as reservas já feitas, inclusive carro alugado. É indispensável o carro nessa parte da França, porque o gostoso é ficar passeando pelas charmosas cidadezinhas, sem lenço e sem documento; e isso só dá para fazer estando motorizada.


A Provence situa-se no sudeste da França e estende-se desde a margem esquerda do rio Ródano até a margem direita do Var, onde se limita com o antigo condado de Nice, na margem esquerda do rio. Ela já era habitada desde os tempos pré-históricos, como indicam os restos de assentamentos, datados entre 27000 e 19000 a.C., encontrados por mergulhadores em 1991 na Caverna de Cosquer, perto de Marselha. Um sítio neolítico datado de cerca de 6000 a.C. foi descoberto em Marselha, próximo à estação ferroviária Saint Charles. Posteriormente a região veio a ser ocupada pelos lígures e pelos celtas. 

A partir do século II a.C., foi conquistada pelos antigos romanos e passou a ser uma província do Império Romano. Este fato é a origem do nome, do latim PROVINCIA, pois a Provence foi uma das primeiras áreas conquistadas pelos romanos fora da Itália. O cristianismo chegou cedo à Provence e, na altura do século III, a região já era consideravelmente cristã, com diversos mosteiros e igrejas em construção.


Uma casa típica da Provence


Primeiro Dia

Saímos de Paris pela Gare de Lyon para Aix en Provence. O trem partiu às 11h16 pontualmente. A grande vantagem de viajar de trem é não precisar apresentar-se duas horas antes do embarque, como nas viagens de avião (vinte minutos é o suficiente); e a facilidade das estações de trem se localizarem no centro das cidades. Só aí ganha-se no mínimo 2h40 horas, com mais as duas da chegada, já se economiza quase cinco horas!! O TGV pára em Avignon por dois minutos e segue para Aix en Provence. O vagão restaurante é ótimo, dá para se comer um lanche muito gostoso. Assim que chegamos em Aix, pegamos o carro alugado ao lado da estação e lá fomos nós começar essa viagem “superbe”, como dizem os franceses.



Hotel Le Pigonnet


Ficamos no Hotel Le Pigonnet, muito simpático. Uma casa grande de campo, com jardim e um restaurante muito bom. O hotel tem um SPA ótimo com massagens gostosas. Tivemos uma surpresa!! 42 mulheres de Fortaleza simpaticíssimas hospedadas no hotel. Jantamos no restaurante do hotel, o Riviera, muito bem conceituado. Fomos passear no centro. Como Aix é uma cidade de origem romana, ainda pode-se ver muitos vestígios dessa época pela cidade.


Jardim do Hotel Le Pigonnet


Aix-en-Provence é uma cidade no sul da França, fundada pelo romano Cônsul Sextius ano 122 aC. A partir de então o nome de Squaw Sextiae foi se transformando com o tempo até chegar em Aix-en-Provence. A cidade tem uma rica história. Em 1409 foi fundada em Aix uma das mais antigas universidades da França. Aix foi capital da Provence do século 12 até o 18. 


O Rei René de Anjou (1409-1480) foi uma das figuras mais importantes de Aix. Outra figura importante de Aix foi o Cardeal Mazarin (regente da França na minoridade de Luis XIV, sucedeu a Richelieu); vi uma peça bárbara em Paris o ano passado, o "Diable Rouge" que conta sobre o final da vida dele. Com a ascensão da cidade de Marselha, Aix-en-Provence perdeu sua influência política. Nos anos 70 criou-se em Aix um moderno centro universitário. Atualmente vivem em Aix-en-Provence cerca de 140 mil habitantes, dos quais 30 mil são estudantes.


Rond Point de Aix en Provence


Segundo Dia

Aix é a cidade de Cézanne, tem um passeio para se fazer que vale muito a pena. Nas calçadas de Aix pode-se fazer a tour Cézanne olhando para o chão e seguindo as indicações cravadas na calçada. É bem legal essa tour, além de ser divertido ir procurando as marcas no chão.

Circuito no centro da cidade - Seguindo os passos de Cézanne
Um circuito marcado por “ As principais atrações de Cézanne ”, nos leva à descoberta dos locais onde o artista deixou a marca de sua passagem: Café Deux Garçons, colégio Mignet , universidades, igrejas.... Paul Cézanne, após um período romântico, descobre o impressionismo e então inventa “uma nova arte” da qual diz ser o “primitivo”. A óleo ou a aquarela, as suas obras revelam um trabalhador obstinado. Os locais onde viveu podem ser visitados em Aix e valem a pena!! Fomos visitar o atelier dele, que é super legal – vídeo sobre seus quadros, jardim bonito e a sala de trabalho. Cézanne, de uma família rica de Aix, ganhou do pai uma casa na cidade. Pintou então vários quadros, com os quais vestiu as paredes da casa toda.

Fomos ao Museu Granet, que tem seis Cézannes lindos, além de vários outros bons pintores. O museu é muito bonito, com um acervo razoável, para uma cidade do tamanho de Aix. De lá fomos visitar o Pavillon Vendôme, um pequeno castelo construído pelo duque de Vendôme. Jardim maravilhoso! Passear na zona para pedestres em Aix é uma delícia. Pequenas boutiques, cafés, ruazinhas antigas... é muito divertido .... um verdadeiro.... dolce far niente!


Pavillon Vendôme


Jantamos no Pierre Reboul, uma estrela no Guia Michelin. Ficamos meio decepcionadas: uma decoração feia, fria e super moderna, mas.... bela surpresa!! A comida era maravilhosa!! O menu é fixo com três tipos: grande, médio e pequeno. Escolhemos o menor, porque ainda estávamos meio desconfiadas e foi divino!!! Depois do jantar pedi para conhecer o ‘chef’ e outra surpresa boa! Um rapaz forte, moço, 38 anos, simpaticíssimo. Conversou bastante conosco, mostrou toda cozinha e fez, na nossa frente, três sobremesas para experimentarmos. A cozinha dele tem tudo o que há de mais moderno. Fez um morango “dos deuses”, forrado de chocolate; depois uma espécie de crème brulé, que ele põe embaixo de uma chapa bem quente para ficar brulé. Valeu. Até para São Paulo ele quer vir conhecer. Disse textualmente, que se eu arranjasse algum convite, viria na hora. Acho que conhecemos um futuro grande ‘chef’. Só o tempo dirá se estou certa!

Pierre Reboul 



Terceiro Dia

Fomos visitar o Museu de Tapeçarias que foi uma bela surpresa: não estávamos tão animados por não ter nenhuma informação à respeito e o museu é maravilhoso! A Catedral de Saint-Sauveur fica na parte mais antiga do centro velho de Aix. Como sua construção se estendeu do séc. V ao XVIII, é um mix de estilos (romântico, gótico e barroco), que se nota ao olhar para a fachada. De lá fomos de carro para Lourmarin, onde almoçamos numa praça charmosa, uma salada e uma bouillabaisse ótimas. É uma cidadezinha uma graça, no topo de um morro com um castelo lindo. Passeamos a pé por toda a cidade. Continuamos nosso caminho por uma estrada e paisagens lindas. Passamos por Pertuis, Cadenet e Bonnieux até chegar em Gordes. Quando estávamos quase chegando lá, nos surpreendemos com uma vista da entrada sobre Gordes, que é realmente de tirar o fôlego!


Lourmarin


Castelo de Lourmarin


Almoço em Lourmarin


Gordes é uma das mais belas cidadezinhas da Provence. Como outras, situa-se numa montanha, com uma vista privilegiada para a planície em frente. A combinação de suas construções forma um conjunto harmonioso, que corresponde às cidades de nossos sonhos. Podemos dizer que ela está entre os grandes “retratos” de cidades. O uso da pedra nas construções de Gordes dá um tom árido à cidade quando vista de perto. Entretanto, não é nada que atrapalhe a beleza de suas ruelas e cafés. É visita inevitável para quem passa pela Provence. A foto abaixo é aquela “clássica”, que tiramos quando chegamos a entrada da cidade. Até o filme “Um Ano Bom”, passado na Provence, utilizou esta imagem.



Vista da cidade de Gordes

Vista de Gordes da planície


Grande dúvida:é o caminhão ou a oliveira que está à venda?

Ficamos no hotel Les Bories, maravilhoso e chiquérrimo. A decoração do quarto é linda de morrer. O hotel tem esse nome devido a uma construção de pedras onde antigamente (2.000 anos!!!) moravam os camponeses e também guardavam os carneiros, ou seja, um estábulo. A construção é meio arredondada em cima e não tem cimento nem cola, nenhum tipo de rejunte! É inacreditável que dure 2.000 anos sem cair! O SPA do hotel é maravilhoso! Jantamos lá – restaurante também com uma estrela no Michelin – muito bom. Na sala de jantar tem um antigo borie, são várias salas e é última delas, passa-se por um pequeno corredor para entrar no borie. É incrível, e está super bem decorado.



Hotel Les Bories

Sala de jantar dentro do borie


Quarto Dia

O café da manhã do hotel é excelente! O quarto tem um terraço com uma vista linda do jardim e da piscina do hotel. Fomos visitar L’Abbaye de Sénanque que é maravilhosa! Enterrada no vale e cercada por lavandas, a vista da Abadia Notre-Dame de Sénanque é realmente extasiante! Ao redor da abadia existe a plantação de lavanda mais fotografada do mundo pela beleza... Fica tudo azul em volta dela, é um espetáculo imperdível! A Abadia é considerada um dos mais belo exemplos da arquitetura cisterciense primitiva. Ainda é habitada por uma comunidade de monges cistercienses.


Abbaye Notre Dame de Sénanque


A capela ao lado também é bem bonita e a lojinha do mosteiro vale a pena, tem mil tipos de saches cheirosos e lavandas. Fomos para a cidadezinha de Gordes, que é um encanto! Almoçamos na praça, num restaurante muito simpático. Fomos a pé até o alto do morro, com casas maravilhosas, lindas. Visitamos um local onde se pode degustar vinhos e comprar livros de receitas muito bons.

Depois fomos para Goult – andamos até o alto da montanha, de onde se tem uma vista de toda região – fantástica. Passamos pela casa de uma pintora com quadros muito bonitos da região. Goult é uma cidadezinha antiga situada na região da Reserva Natural de Luberon e foi restaurada com muito cuidado: o vilarejo tem bonitas casas de pedra. 


É muito gostoso passear pelas ruelas, ver a igreja e o charme de suas passagens com arcos. Dá para ver os vestígios das antigas muralhas e também do castelo da família Agoult aparecendo no penhasco (hoje, propriedade privada, não se visita). Uma coisa que me chamou muito atenção é a quantidade de lindas e antiquíssimas oliveiras (uma das fontes de renda da região). Vi algumas boutiques super charmosas que só vendem azeites e derivados, inclusive apetrechos especiais o azeite e azeitonas.

Seguimos para Menerbes, outra cidadezinha encantadora com uma loja ótima de roupas e sapatos, de muito bom gosto e de marcas conhecidas. Menerbes é uma bonita cidadezinha de pedra situada no topo de uma montanha, de onde se pode ver os vinhedos do norte.

Jantamos no restaurante Mas Tourteron (menção no Michelin), perto do hotel, maravilhoso. Le Mas Tourteron - Les Imberts - tem uma das melhores chefes de cozinha, Elisabeth Bourgeois. A qualidade da comida é ótima e a decoração dentro e fora é linda. O jardim tem belas árvores enfeitadas com lanternas e chapéus. Dentro é muito confortável, com bonitos enfeites e quadros nas paredes, bonitas toalhas de mesa brancas e argolas de guardanapos feitas de pão. Comida maravilhosa! Decoração bem provençal, tem uma coleção de fogões “superbe”. Conheci a “chef”, que é também a dona do restaurante há 22 anos. Muito caprichosa em tudo. O jardim especialmente bonito – também gostaria de vir ao Brasil fazer um jantar.


Elizabeth Bourgeois - Mas de Tourteron


Restaurante Mas de Tourteron

Quinto Dia

Enquanto fazia esteira, conheci a dona do hotel Les Bories, onde ficamos hospedadas, Françoise, uma moça simpática. Contou um pouco da história do hotel. Ela e o marido compraram há dez anos uma propriedade antiga, que já funcionava como hotel. Reformaram, aumentaram um pouco e hoje são ao todo 33 apartamentos. Nos aconselhou a visitar o Village des Bories.


Village des Bories

Fomos e foi incrível! É maravilhoso, tem mais de 2000 anos!!! Perdido nas encostas dos montes do Vaucluse, a três quilômetros de Gordes, fica o Village des Bories (borie, do latin boaria, quer dizer estábulo). Das cabanas gaulesas originais (lembram iglus), sobraram 29 construções em pedra, que surpreendem pela maneira como ficam em pé: feitas de pedras polidas simplesmente colocadas umas sobre as outras, sem nenhum tipo de rejunte, nem sustentação. Era moradia dos pastores e de seus carneiros. É local de vegetação baixa, cerrado. É o maior grupo de cabanas gaulesas achadas na região do Apt, no Luberon. 


Desde 1977, o local, também conhecido como “Ville Noir”, foi classificado como monumento histórico e é uma rica testemunha do modo de vida e da agricultura provençal desde os tempos mais remotos até os séculos XVII e XVIII. Deve-se a restauração da cidadezinha, ou do que sobrou dela, ao duro trabalho dos donos das terras. Foram dez anos de esforços para recuperar e restaurar esse sítio arqueológico, abandonado por mais de um século e tomado pela vegetação.

De lá fomos para Isle sur La Sorgue – uma cidade um pouco maior, que parece uma ilha, por estar rodeada pelo Rio Sorgue. Isle sur la Sorgue faz parte de um dos must da Provence. Os"chineurs", pessoas que gostam de belos objetos, antiguidades e galerias de arte, vão ficar encantados! existem mais de 300 antiquários nesta pequena cidade! E lá o nosso amigo Olivier tem um apartamento super simpático com vista para a catedral. Está situada ao pé do planalto de Vaucluse, na planície do Comtat Venaissin, e é cortada por diversos canais alimentados pelo rio Sorgue. Almoçamos num restaurante a beira do rio, muito simpático, comida boa e seguimos para Avignon (25kms). As cidades são todas muito próximas umas das outras, as estradas são lindas, as paisagens também.



Isle sur la Sorgue


Ficamos no hotel La Mirande (Livrée de Saint-Martial, Maison de Vervins, Hotel de Pamard... 700 anos de história!! La Mirande é um monumento histórico), que é deslumbrante!! É dentro da parte antiga de Avignon e para entrar de carro tivemos que tocar campainha num portão e uma pessoa do hotel vir abrir. O hotel é ao lado do palácio dos Papas. Cada quarto tem uma decoração diferente. Todos lindos, com móveis antigos – tecido na parede, realmente um luxo. As salas são lindas e o restaurante é muito conhecido. O jardim é um deslumbre e estava todo florido de rosas. Jantamos no restaurante do hotel muito bom, também uma estrela no Michelin!


Curiosidade


Existe um curso de cozinha no hotel “Le Marmiton”, que eu fiquei morrendo de vontade de fazer. As aulas práticas são dadas para grupos de 6 à 12 alunos, nas antigas cozinhas datadas do século XIX, em volta de uma grande mesa por grandes chefes da Provence.



Hotel La Mirande


Sexto Dia

Fomos visitar o Palácio dos Papas. Avignon, foi a sede do Papado Cristão por um século (1309 - 1411), durante o qual 10 papas se instalaram no imponente Palais des Papes, uma das mais antigas e maiores edificações em estilo gótico na Europa. É uma das principais atrações turísticas da região da Provence, também conhecida como o “Vaticano Francês”. A instalação dos Papas em Avignon fez dela a capital do Ocidente no século XV. Mais tarde, no século XX torna-se capital cultural da região.



Palácio dos Papas


É muito famoso o festival de música de Avignon durante o mês de Julho: é preciso comprar os ingressos com alguma antecedência, porque achar na hora é impossível, a cidade fica lotada! Nosso amigo Olivier não perde um!

Mas o charme está mesmo na Pont d'Avignon, que cruza o rio Rhône, que nasce nos Alpes (no Lac Léman). Fomos até lá a pé. A ponte foi construída em 1177 e era composta por 21 arcos, mas uma enchente no século XVII a destruiu parcialmente. Restaram apenas esses três arcos. Há uma música infantil muito conhecida na França que diz que dançar sobre a ponte trás felicidade. Não deixamos essa oportunidade escapar... É muito bonita! Almoçamos na cidade onde tem muitos restaurantes, quase todos pequenos, simpáticos e bons.


Ponte d'Avignon

Curiosidade

A lenda de Saint Bénézet e a A Ponte d’ Avignon
Data do século XIII a lenda de São Bénézet (quer dizer “petit Benoit”), um jovem pastor, bem baixinho, que vivia em Vivarais. Dizia ter ouvido uma voz que lhe ordenava construir uma ponte sobre o Rhône, em Avignon. Guiado por um anjo, o pastor chegou a Avignon, onde seu projeto provocou caçoada por parte dos habitantes. Para demonstrar sua grande fé, ergueu uma enorme pedra e a carregou até o rio Rhône. Convencidos então da vontade divina, os habitantes aderiram a causa de Bénezet e ajudaram a construir a ponte. Bénézet existiu de fato. Morreu em 1184, pouco antes da obra estar terminada.



Sétimo Dia

Passeamos pela parte antiga de Avignon, que é muito bonita. O Jardim ao lado do Palácio dos Papas é espetacular!! Vale uma volta por lá só para ver a vista que se tem do Castelo dos Papas!

Pegamos o trem de volta e chegamos à Paris no final do dia. Devolver o carro foi muito fácil, a locadora é ao lado da estação. Realmente valeu, foi uma semana maravilhosa! E eu recomendo fortemente!! mas não se esqueçam que há muito mais cidades para se visitar. Arrisco dizer que a Provence não tem fim...

Para terminar a famosa música da ponte de Avignon

Sur le pont d’Avignon,
On y danse, on y danse
Sur le pont d’Avignon,
On y danse, tout en rond.



Boa Viagem!!



Serviço:

Le Pigonnet
5 Avenue du Pigonnet
13100 Aix-en-Provence, França
Tel: + 33 (0)4 42 59 02 90

Atelier Paul Cézanne
9, Avenue Paul Cézanne
13090 Aix En Provence, França
Tel: + 33 (0)4 42 21 06 53
Museu Granet
Place Saint-Jean de Malte
13100 Aix-en-Provence, França
Tel: + 33 (0)4 42 52 87 97

Pierre Reboul
11, petite rue Saint Jean
13100 Aix en Provence, França
Tél: + 33 (0)4 42 20 58 26

Ancien Palais de l'Archevêché
28, Place Des Martyrs de la Résistance
13100 Aix En Provence, França
Tel: + 33 (0)4 42 23 09 91

Catedral de Saint Sauveur
34 Place des Martyrs de la Ré
Aix en Provence, França
Tel: +33 (0)4 42 23 45 65

Les Bories
Route de l’Abbaye de Sénanque
84220 Gordes, França
Tel: +33 (0)4 90 72 00 51

Le Mas Tourteron
Chemin de Sainte Blaise les Imberts
84220 Gordes, França
Tel: + 33 (0)4 90 72 00 16

Pavillon Vendôme
13, rue de la Molle ou
13100 Aix En Provence, França
Tel: + 33 (0)4 42 91 88 75


Colaboradora: Virginia Figliolini Schreuders

21 comentários:

Ana Maria P.G. disse...

Yeda, querida
Viajei pela Provence com você hoje.
Parabens pelo artigo.

Ana Maria P. G.

Annelise disse...

Obrigada Yeda. A música é da minha infância. Bjs.
Annelise

Antonia disse...

Yeda !!!
Que Maravilha !!!!
Eu quero ... QUERO IR !!!
Um abraço
Antonia

Beth B. disse...

LINDO!!!! E VC ESTÁ MUITO BEM NAS FOTOS.
SAUDADES.

Beth

Betina disse...

Yeda querida,
Que delícia de "viagens" você tem me proporcionado...Realmente é viajar sem sair de casa !!!! Roteiros ótimos,fotos bárbaras e as descrições muito bem feitas! Estou guardando tudo !!!
beijos ,
Betina

Carola disse...

Yeda querida,
Adorei viajar com você, lendo este seu artigo: maravilhoso!
Super bem escrito, inteligente, com pedaços de história, curiosidades e dicas, é como se fosse um delicioso papo entre amigas que não só gostam de viajar, mas viajam "bem": sabem aproveitar desde a decoração dos hotéis até a boa cozinha, passando pelas cidadezinhas cada uma com seu encanto...
Parabens! e com certeza esta sua visita à Provence será nosso próximo passeio!
Um beijo grande,
Carola

Cema disse...

Querida Yeda
Está sensacional Concordo com você que a Provence não tem fim Já fui algumas vezes mas ainda falta muito para ver.
Parabens bjs Cema

Ivany disse...

Yeda
agradeço as maravilhosas imagens, indicações e o compartilhamento conosco de belos momentos, como os aqui retrados.
Abraço Ivany J.

Lia S. disse...

Então querida:
Que viagem, hein?
Adorei o artigo sobre Provence, porem ainda não li sobre N.Y.
Lerei...
bjos
Lia

Lina M. disse...

Yeda
Adorei o artigo sobre a Provence. Impécable, o artigo sobre a viagem . "Viajei" outra vez, as fotos são ótimas e esclarecem bem as diferentes cidades (para mim). E ao mesmo tempo enxuto e gostoso. Parabéns!
Beijos
Lina

Maria Clara disse...

Amo suas dicas!!!!!!!!!!!!

Maria CLara

Thereza B.F. disse...

Qta viagem maravilhosa!
Acabei de chegar de Portugal, foi muito bom!
Bjo,
Thereza.

Miriam T. disse...

Querida Yeda
Esta foto das lavandas é demais! O relato dá vontade de largar tudo e ir à Provence!
Bjs
Miriam

Monica R. disse...

Yeda,estou me contendo pra não fazer as malas e ir pra Provence,amei!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Mona

Sandra T.L. disse...

Que delicia de viagem,adoro seus roteiros,viajo junto,bjoss Sandra

Sylvia M disse...

Uauuu!!!
Está um primor!
Parabéns
js
Sylvia

Alceu disse...

Yeda
A Provence que eu vi é linda, cheia de cheiros e poesia, mas a que vc viu tem um ar Yedense, adoravel... precisamos trocar figurinhas...adorei seus textos
baccios
Alceu

Yeda Saigh disse...

Yeda boa tarde....
Adorei o seu blog porque amo viajar e cai nele por acaso....
Cheguei da Italia semana passada e morro de vontade de ja programar a proxima viagem...
Qdo foram tiradas as fotos da Provence com as lavandas maravilhosas? Pergunto porque nós fomos em junho e não estavam assim, pensei que fosse só julho e agosto.

Obrigada

Dulce

Magro disse...

ola Yeda..
assim como a Dulce achei o seu blog por acaso, parabens pela sua dedicação e por compartilhar seus paseios e suas fotos. Vou para Provence em abril/12 e depois das suas dicas tenho certeza que quero ir.
obrigado

Rosângela Maluf disse...

estive em março 2012 por toda a provence...reler o seu relato tão bem escrito me fez voltar no tempo; foi a nossa 6a. ida à frança e não nos cansamos!!! meu marido e eu simplesmente ADORAMOS paris...
grande beijo

Cecilia Guimaraes disse...

Cara Yeda
M-a-r-a-v-i-l-h-o-s-a sua viagem. Acabamos de voltar de lá. Há muito queríamos fazer essa viagem e acabei encontrendo seu blog. Fiquei tão impressionada com seu relato que resolvemos seguí-lo sem restrições. Os hotéis são excepcionais, restaurantes, refeições, passeios, paisagens - tudo perfeito, de muito bom gosto. Mesclando natureza, conforto, requinte, história e cultura você nos proporcionou uma viagem perfeita e inesquecível! Gostaria de agradecer-lhe pela oportunidade e desejar-lhe sucesso em seu blog e próximas viagens....assim teremos novas e valiosas dicas!